PepsiCo reserva 100 camiões elétricos à Tesla

Esta é a maior encomenda registada pela Tesla desde o anúncio do Semi no passado mês de novembro.


A Tesla pode ter encontrado uma "mina de ouro" na indústria das bebidas. Depois de registar uma grande encomenda da parte da Anheuser-Busch, que reservou 40 camiões elétricos à empresa de Elon Musk, a fabricante automóvel recebeu agora um novo pedido por parte da PepsiCo, que pretende juntar 100 destes veículos à sua frota de distribuições.
A Pepsi terá de pagar um sinal de 20 mil dólares por cada um destes Tesla Semi, ficando assim com uma conta inicial de 2 milhões de dólares. Se o preço de venda ao público do camião atingir os 150 mil dólares, a empresa acabará por pagar qualquer coisa como 15 milhões de dólares.
"A PepsiCo tenciona colocar os Tesla Semi nas rotas mais curtas de distribuição de snacks e bebidas entre os pontos de fabrico, de distribuição e de venda num raio de 800 quilómetros, o máximo prometido pelo CEO da Tesla, Elon Musk", disse, à Reuters, um dos responsáveis pela empresa.
"Os camiões vão complementar a frota da PepsiCo nos Estados Unidos, que já conta com quase 10.000 veículos, e vão ser um ponto fulcral nos planos que a empresa tem para reduzir, em pelo menos 20%, as emissões atuais de gases de efeito estufa", afirmou Mike O'Connell.
Desde o anúncio oficial, que foi feito no passado mês de novembro por Elon Musk, a Tesla já recebeu encomendas por parte de grandes empresas mundiais, como foi o caso da Walmart e da DHL. A data de entrega dos camiões, contudo, ainda não está definida.

Tek

Read more


Na Coreia do Sul os robots também têm direito a carregar a tocha dos Olímpicos de Inverno

O país fez uma demonstração pública das suas aptidões tecnológicas ao utilizar dois robots na passagem do testemunho. Um deles chegou mesmo a furar uma parede para fazer a tocha chegar ao portador seguinte.




A dois meses dos Jogos de Inverno de Pyeongchang, a tocha olímpica está prestes a terminar a sua cruzada pela Coreia do Sul. Depois de "andar nas mãos" de atletas, artistas e outras personalidades de relevo para a cultura local, a chama foi passada para o HUBO, um robot humanóide. A máquina foi responsável por acender a tocha do portador seguinte no seu lugar de "nascimento", o Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia do Sul (KAIST), em Daejon.
Apesar de parecer tarefa fácil, o robot fez uma demonstração da suas capacidades ao cortar um buraco numa parede com um berbequim, passando depois a tocha para o seu criador, o professor Oh Jun-ho.

No vídeo do acontecimento, que foi gravado e publicado pela KBS News, destacam-se alguns momentos peculiares. No início é possível ver o HUBO a conduzir um buggy com o diretor do Laboratório de Mecânica e Robótica da UCLA à pendura.
Depois da passagem de testemunho, o professor Jun-ho passou a tocha a um FX-2, um robot tripulado com mais de 2,40 metros de altura que pesa quase três toneladas.
O HUBO, ao contrário do gigante FX-2, vai ajudar na organização do evento. Este humanóide, que consegue dar cerca de 65 passos por minuto, é um dos 85 robots que vão ser utilizados durante os Jogos Olímpicos de Pyeongchang para auxiliar as equipas humanas com a segurança, os serviços de informação, limpeza e pintura de murais.
Tek

Read more


Denúncias contra adopções ilegais da IURD foram arquivadas pela Segurança Social


As primeiras suspeitas em torno de irregularidades nas adopções de crianças do lar da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), em Lisboa, surgiram em 2000 e foram reportadas à Segurança Social, mas o processo foi arquivado.
O jornal Correio da Manhã (CM) apurou que em 2000, o Instituto da Criança “denunciou corrupção” nos processos de adopção de crianças do lar da IURD, que se situava então na Avenida Gago Coutinho, em Lisboa.
A “primeira denúncia chegou ao Ministério da Segurança Social em 2000, então tutelado por Ferro Rodrigues, e o processo foi arquivado no ano seguinte, em Janeiro”, refere o jornal.
Citando um relatório “explosivo”, o diário nota que “as suspeitas de adopções ilegaisnão foram investigadas” porque a Segurança Social considerou que a IURD, não tendo intervenção no processo, não poderia ser suspeita.
A investigação da Segurança Social centrou-se, assim, em aspectos como as “condições desalubridade do espaço“, refere o CM.

Lar funcionou ilegalmente durante quase 10 anos

A TVI está a divulgar uma série de reportagens sobre uma alegada rede de adopçõesilegais, que terá sido posta em prática no lar da IURD pelo bispo responsável por esta religião, o brasileiro Edir Macedo.
Num debate sobre estas reportagens, na TVI24, a jornalista Judite França, que fez a investigação a par de Alexandra Borges, revelou que a Segurança Social assumiu, num email que lhes foi enviado, que “o lar é ilegal”, mas que não explicou “porque é que enviou para lá crianças”.
“Agora, depois de ser alertada diversas vezes, pediu uma fiscalização ao DIAP(Departamento de Investigação e Acção Penal) para saber em que moldes é que isto aconteceu”, sublinha Judite França. O Ministério Público está a investigar o caso desde a participação apresentada pela Segurança Social no início de Dezembro.
O Instituto da Segurança Social só reconheceu, oficialmente, o lar da IURD em 2004, altura em que assinou “um acordo de cooperação com a instituição”, conforme reporta a Sábado. Assim, o lar terá funcionado de forma ilegal durante quase 10 anos.
A IURD resolveu encerrar a instituição em 2011, alegadamente devido à crise financeira, por considerar excessivos os gastos que tinha que suportar com o espaço.
ZAP //

Read more


Isabel dos Santos levantou 238 milhões horas antes de a conta ser congelada


Sete horas antes da decisão de um tribunal das Ilhas Virgens Britânicas de congelar os bens da Vidatel – sociedade controlada por Isabel dos Santos -, a empresária transferiu 238 milhões desta para contas pessoais.
Segundo o Público, o episódio terá acontecido no dia 9 de outubro de 2015, sete horas antes de ser decretada a ordem de congelamento mundial dos bens da Vidatel, registada nas Ilhas Virgens Britânicas, que a operadora brasileira Oi requereu.
Nesse dia, Isabel dos Santos terá transferido 238 milhões de euros de uma conta em nome da Vidatel no BPI para contas pessoais.
A história começa a 30 de setembro daquele ano, quando a PT Ventures (em nome da Oi) terá apresentado um pedido urgente de congelamento dos bens da Vidatel como medida cautelar enquanto aguardava a conclusão do processo arbitral contra os seus parceiros angolanos na Unitel, considerando que havia risco de “dissipação dos bens”.
Mais tarde, numa situação “pouco habitual e infeliz”, como descreve o tribunal, uma referência à medida cautelar foi incluída na lista de agendamentos do tribunal, divulgada por email no domingo, 4 de Outubro de 2015.
Assim, um dos representantes legais da Vidatel terá tido conhecimento do facto e pedido uma cópia da ação à PT Ventures. O momento em que Isabel dos Santos soube da possibilidade de vir a ser decretada uma ordem de congelamento e o que fez com essa informação passaram então a ser “factos críticos” para a análise.
Sobre o assunto, o BPI não quis prestar declarações, mas fonte oficial da Unitel negou que “a Unitel ou Isabel dos Santos” alguma vez tenha feito “uma transação ilegítima ou ilegal”.
O magistrado do Supremo Tribunal das Caraíbas Orientais (STCO) considerou que a Vidatel não desrespeitou a ordem judicial, mas Isabel dos Santos não se livrou de um puxão de orelhas pela forma como encarou os pedidos do tribunal.
Barry Leon, o juiz, queixou-se que a Vidatel terá dado uma “text book lesson” sobre como não lidar com ordens do tribunal, querendo isto dizer que Isabel dos Santos terá feito aquilo que os manuais dizem que não se deve fazer quando se tem de responder a pedidos de informação.
“Podia ter-se poupado muito tempo e dinheiro se a senhora dos Santos, em nome da demandada (a Vidatel), tivesse explicado o que aconteceu de uma forma clara e completa, de uma só vez”, acusa na decisão, numa referência aos difíceis esclarecimentos de Isabel dos Santos, que por várias vezes desrespeitou prazos e foi pouco clara nas justificações.
ZAP //

Read more


Contradições e suspeitas de relação pessoal fizeram cair secretário de Estado


A demissão, esta terça-feira, do secretário de Estado da Saúde terá sido precipitada pela divulgação de uma entrevista da TVI, na qual o ex-governante é apanhado em contradições acerca da sua alegada relação pessoal com a agora ex-presidente da Raríssimas.


O secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, terá pedido a demissão após uma entrevista à TVI, horas antes da sua saída do executivo, na qual é confrontado com emails e fotografias que contradizem as suas afirmações de que não tinha qualquer participação na gestão da Raríssimas, nem qualquer relação pessoal com a sua presidente.
A presidente da associação de doenças raras, Paula Brito e Costa, demitiu-se também esta terça-feira, na sequência de acusações de que estaria a usar dinheiro da instituição para levar uma vida de luxo.
Na entrevista a Manuel Delgado, conduzida por Ana Leal, o ex-governante afirma não ter qualquer tipo de conhecimento da situação financeira da Raríssimas, no período em que colaborou com a instituição, entre 2013 e 2014.
No entanto, a jornalista confronta-o com um email, que lhe terá sido enviado por um ex- contabilista da Raríssimas, que indicava o contrário. Na mensagem, o ex-contabilista  informa o ex-secretário de Estado da Saúde do saldo negativo da instituição. Delgado responde então que “por acaso, já não me lembrava disso“.
Além do email, Manuel Delgado é também confrontado com as viagens que terá realizado com Paula Brito e Costa. Na entrevista, admite uma viagem a Burgos e uma deslocação a uma conferência em Buenos Aires, mas, sobre a viagem ao Brasil, explica que “viajar no mesmo avião não significa que tenha sido pago pela Raríssimas”.
Mas logo a seguir, Manuel Delgado entra em contradição: explicou que se deslocava com frequência ao Brasil, numa altura em que tinha na sua atividade privada relações e contactos com empresas naquele país, e, perante a insistência da jornalista acabou por ceder e admitir que a viagem foi reservada pela Raríssimas”, explica o canal.

Sobre a sua relação com Paula Brito e Costa, o demissionário secretário de Estado da Saúde nega ter qualquer relação que não estritamente profissional, tendo dito, porém, que “a minha vida privada não é para aqui chamada”.


Manuel Delgado é também questionado acerca do facto de ter sido pago com subsídios do Estado, destinados a crianças com doenças raras. Não considerando imoral, defendeu que é um prestador de serviços: “Acha moral que eu preste um serviço e não seja remunerado por ele depois de um contrato assinado? Acha moral?!”, questionou.

Um milhão do Ministério da Saúde em 2017

Rosa Matos Zorrinho, a nova secretária de Estado da Saúde, esteve, até agora, à frente da Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo. Esta entidade tem com a Raríssimas, desde 2014, contratos que preveem verbas avultadas para financiamento de três tipologias de unidades de cuidados continuados.
Mas estes contratos não estão relacionados com as subvenções públicas de que a Raríssimas usufrui há anos. Na Casa dos Marcos, estão as unidades de cuidados continuados, financiadas pelo Ministério da Saúde. Orçada em 5,5 milhões de euros, inclui ainda uma residência e uma clínica para pessoas com doenças raras, na Moita.
A ARS de Lisboa e Vale do Tejo garante que a Raríssimas é uma das 48 entidadesdistintas em toda a região no âmbito da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, com um total de 39 lugares – num universo de mais de dois mil.
Segundo a informação avançada pelo Público, depois da abertura da Casa dos Marcos, os primeiros contactos para as três tipologias de cuidados continuados foram assinados pelo anterior Governo, tendo sido renovados, este ano, pelo atual executivo.
Só para este ano, e para os três tipos de unidades, está prevista uma verba do Ministério da Saúde de perto de um milhão de euros (959 mil), destinados aos encargos com dez lugares na unidade de longa duração, 19 vagas na de média duração e camas da unidade de convalescença.
Em simultâneo, a Segurança Social disponibiliza também, este ano, 252 mil eurospara custear encargos com os doentes internados. Os contratos prolongam-se até 2019 e ainda não se sabe se, a este montante, se irá acrescentar valores a pagar pelas famílias dos doentes.
No caso da Raríssimas, a instituição dispõe de outros financiamentos, como acordos de cooperação com a Segurança Social para o lar residencial (279,5 mil euros em 2016) e para o Centro de Atividades Ocupacionais a Casa dos Marcos (159 mil euros).
Surgem ainda, na conta de exploração previsional para 2016, 515 mil euros de “doações” e 197 mil do Instituto de Emprego e Formação Profissional. Para esse ano, estava previsto um total de rendimentos de quase 3,2 milhões de euros e gasto no valor de 2,8 milhões.
Em 2018, a Raríssimas continuará a expandir-se, como prevê o orçamento. São perspetivados 4,075 milhões de euros e gastos de 4,042 milhões. Em “doações e heranças” prevê-se a entrada de 1,2 milhões. No plano, pode ler-se que este “será o ano em que a Raríssimas apresentará pela primeira vez a operacionalização de uma gestão empresarial”.
Mas os planos de Paula Brito e Costa não ficavam por aqui. A ex-presidente da Raríssimas iniciou o processo de criação de uma fundação privada e planeava criar um departamento jurídico, para conseguir lidar com a “complexidade” da Raríssimas e da Casa dos Marcos.

Vieira da Silva chamado para “dar explicações”

Esta terça-feira, o PS anunciou que decidiu chamar o ministro Vieira da Silva à Comissão Parlamentar de Trabalho e Segurança Social para dar “todas as explicações” sobre o caso de suspeitas de gestão danosa na Raríssimas.
Numa conferência de imprensa, esta segunda-feira, o ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social garantiu que desconhecia denúncias de gestão danosa na instituição e pediu uma inspeção global urgente ao funcionamento da Raríssimas.
De acordo com a TSF, para Idália Serrão, deputada do PS, “tudo tem de ficar esclarecido”. Foi neste sentido que a deputada afirmou que a demissão de Manuel Delgado “foi uma opção de iniciativa” do próprio, procurando apenas salientar a decisão do PS de requerer a audição parlamentar do ministro Vieira da Silva.
“A relação entre o Estado e as IPSS, de forma alguma, pode ficar fragilizada ou beliscada. O trabalho que as IPSS fazem ao nível do apoio às famílias é de tal forma sério que não devem subsistir dúvidas”, afirma Idália Serrão.
A deputada socialista defende que o caso da associação Raríssimas deve levar o Estado a reforçar as ações inspetivas de acompanhamento. “Depois de apurados os factos, quem tiver que ser responsabilizado que seja responsabilizado”, conclui Idália Serrão.
ZAP //

Read more


Deixe-se dormir nos transportes públicos. O Google Maps acorda-o na paragem certa

A app vai começar a notificar os passageiros de transportes públicos em trânsito acerca da aproximação da sua paragem.




A Google vai lançar uma nova actualização para a sua aplicação de navegação por GPS. Esta, contudo, vai beneficiar mais os passageiros de transportes públicos do que os condutores de automóveis. De acordo com o Tech Crunch, que deu conta da novidade, a aplicação vai notificar os utentes de metro, comboio, autocarro e restantes meios de transporte coletivo sobre a paragem em que têm de sair para chegarem ao seu destino. Este aviso será feito em tempo real, através de uma notificação sonora e visual que surgirá no ecrã do seu Android.

Segundo o portal, a app vai monitorizar a sua localização em tempo real para associar a sua posição relativamente a uma dada paragem de forma a determinar a melhor altura para o notificar da saída. Note, no entanto, que a funcionalidade não será ativada automaticamente, mas sim mediante uma indicação prévia do utilizador.
É provável que esta funcionalidade não venha a ser da maior utilidade durante as suas viagens quotidianas entre o trabalho, casa e escola, mas se estiver de visita a uma nova cidade, esta pode ser uma ferramenta preciosa durante a sua deslocação. Neste caso, em vez de se manter alerta defronte para um mapa que mal consegue ler - e para uma voz que mal consegue perceber - pode manter-se no seu lugar apenas atento ao seu smartphone. Por outro lado, se tiver o habito de aproveitar as suas deslocações rotineiras para dar continuidade ao seu descanso, talvez seja melhor ativar este alarme para não se deixar dormir para além sua paragem de saída.
O Tech Crunch adianta que a funcionalidade vai estar disponível em "breve", mas é provável que já esteja online para alguns utilizadores.
Note que apesar de útil, esta funcionalidade não é inteiramente nova, uma vez que já existem soluções semelhantes no mercado. A CityMapper é um dos maiores exemplos. A vantagem, no caso do Google Maps, é que não terá de descarregar uma aplicação adicional.
Tek

Read more


França vai proibir telemóveis nas escolas a partir do próximo ano letivo

A medida deverá afetar desde a educação de primeiro ciclo ao ensino secundário, ou seja alunos até aos 15 anos.





Era uma promessa eleitoral de Macron e o seu ministro da Educação, Jean Michel Blanquer, confirmou agora que há intenção de a cumprir: proibir o uso de telemóveis nas salas de aula.
De acordo com o responsável político, numa entrevista à RTL, a medida está a ser estudada, em diferentes variantes, e pretende-se que entre em vigor já a partir do início do próximo ano letivo, em setembro de 2018.
"Estamos a trabalhar nessa questão", disse, sublinhando que os telemóveis são já proibidos em "algumas instituições" francesas. "Há escolas particulares que o fazem sem problemas", salientou Blanquer.
A medida é justificada não apenas ao nível meramente do plano educativo, mas também como uma questão de saúde. “É uma mensagem de saúde pública que diz respeito às famílias. "Não é saudável que crianças com menos de sete anos passem tanto tempo em frente aos ecrãs", sublinhou.
Tek

Read more


Está explicado porque conseguimos ouvir este GIF sem som


Lisa DeBruine partilhou a imagem e a maioria das pessoas respondeu: conseguem ouvir um barulho mesmo sabendo que o GIF não tem som. Qual é o seu caso?
Recorda-se do vestido preto e azul que algumas pessoas garantiam ser branco e dourado? Pois bem, o mais recente dilema virtual trata-se agora deste GIF sem som e o porquê de algumas pessoas conseguirem ouvir um barulho quando a estrutura toca no chão e a imagem vibra. Experimente e tire as suas conclusões:
https://twitter.com/lisadebruine/status/937105553968566272
A imagem animada foi criada em 2008 pela @IamHappyToast para um desafio de Photoshop e circula online desde então, criando debate sobre o porquê de alguns terem a sensação de ser “uma ilusão de ótica para os ouvidos”.
As dúvidas surgiram novamente, no fim-de-semana passado, quando Lisa DeBruine, do Instituto de Neurociência e Psicologia da Universidade de Glasgow, na Escócia, publicou o GIF no Twitter, pedindo aos seus seguidores para descrever o que sentiam quando o viam.
DeBruine recebeu mais de 245 mil respostas, com 70% das pessoas a dizer que ouviam uma espécie de “batida” a acompanhar a animação.
Em declarações à BBC, a especialista conta não saber o porquê de “algumas pessoas ouvirem claramente o barulho, outras apenas o sentirem e outras não sentirem nada. Algumas pessoas surdas e com dificuldades de audição relataram as três perceções, assim como as pessoas com afantasia”, a incapacidade de visualizar imagens na mente.
“Pensei que alguns dos cientistas que sigo me pudessem ajudar a encontrar a resposta mas parece que há várias explicações plausíveis e não há um consenso”, acrescenta.
Uma dessas explicações pertence a Chris Fassnidge, candidato ao doutoramento em Psicologia da City University, em Londres, que sugere aquilo a que chama “ouvido visual”.
“Suspeito que este fenómeno esteja relacionado com aquilo a que chamamos de Visually-Evoked Auditory Response [algo como “Resposta auditiva evocada visualmente” em tradução para português] ou simplesmente vEAR”, explica.
“Esta é capacidade de algumas pessoas para ouvir objetos em movimento, mesmo que estes não façam um som, o que pode ser uma forma subtil de sinestesia – o desencadeamento de um sentido por outro”.
Ao site alphr, Trevor Cox, professor de Engenharia Acústica, também afirma que não se admira nada que este suposto barulho esteja relacionado com a sinestesia.
“Temos tendência para pensar que os nossos sentidos estão separados mas o nosso cérebro recolhe respostas de todos para identificar o que se está a passar. Por isso, acredito que se trate disso mesmo em vez de um efeito físico como o reflexo acústico”.
Para perceber melhor o que é isto da sinestesia, o mesmo site contactou também a professora Julia Simner, investigadora na Universidade de Sussex. “É uma característica que afeta uma pequena percentagem da população e que origina experiências percetivas incomuns”.
“Eu não tenho sinestesia, por isso não ouço nada, mas este parece ser um gatilho particularmente interessante porque tem todos os elementos necessários: algo a repetir-se e que, de facto, criaria um barulho na vida real”.
E agora, qual será o próximo dilema da Internet?
ZAP //

Read more


Rússia publica imagens da área onde o submarino argentino terá naufragado


Especialistas navais russos analisaram dois objetos encontrados no fundo do mar pelo submersível robô Pantera Plus, que a Rússia disponibilizou à Argentina para ajudar nas buscas do ARA San Juan.
O Ministério da Defesa da Rússia divulgou a imagem de dois objetos encontrados no fundo do oceano Atlântico, no local onde se pensa estar o submarino argentino ARA San Juan, desaparecido há 18 dias.
A busca pelo submarino concentrou-se este domingo num ponto do Oceano Atlântico, a 950 metros de profundidade, informaram fontes oficiais.
Segundo a RT, os resultados das buscas levadas a cabo pelo equipamento submersível russo de operação remota Pantera Plus não fornecem qualquer indicação sobre o paradeiro do submarino argentino.
“A Marinha russa ainda está a analisar as anomalias encontradas no fundo do mar, na área de busca do submarino ARA San Juan”. Em comunicado, o Ministério Russo afirma, porém, que o Pantera Plus permitiu descobrir e estudar dois objetos, que foram classificados como um barco de pesca e um bloco de cimento de grandes dimensões”.
Além disso, a Marinha Argentina detonou 100 quilos de explosivos TNT na zona de buscas do submarino ARA San Juan, assegurando que a explosão que o submarino sofreu foi muito mais forte.
Os especialistas simularam o acidente detonando os explosivos a 40 metros de profundidade, de modo a comparar o som provocado com o som da explosão detetada na mesma área.
De acordo com a Sputnik, espera-se, esta terça-feira, a chegada do navio russo Yantar à zona de buscas, equipado com dois submersíveis que irão permitir a realização de pesquisas a uma profundidade de até 6 mil metros.
O submarino argentino San Juan desapareceu no dia 15 de novembro. Às 7h30 locais do dia 15 de novembro, a embarcação fez o último contacto com a base a reportar uma avaria elétrica.
O último sinal foi registado no alto do Golfo San Jorge, no Oceano Atlântico, a 432 quilómetros da costa da província de Chubut. A bordo do navio havia 44 membros da tripulação.
ZAP //

Read more


Túmulo de Alexandre Herculano usado como bengaleiro nos Jerónimos


Fotografias divulgadas nas redes sociais, mostrando mochilas e casacos pendurados no túmulo do escritor e historiador Alexandre Herculano, no Mosteiro dos Jerónimos, estão a gerar indignação.
Não se sabe a data, nem o contexto em que estas fotografias foram tiradas, exibindo casacos e mochilas pendurados no túmulo de Alexandre Herculano, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa.
Há várias pessoas a divulgarem-nas nas redes sociais, manifestando a sua revolta pelo que definem como um “desrespeito” pelo túmulo do escritor e historiador, como é o caso do ex-jornalista da RTP António Esteves.
António Esteves atribui a autoria das imagens ao crítico de cinema Eurico de Barros, tal como o Diário de Notícias que também divulga o caso, realçando que o túmulo está a ser usado como “bengaleiro de turistas” e notando que foi usado “como ‘depósito’ de malas e mochilas”.
“Turismo massificado, embrutecimento colectivo, falta de dinheiro para pagar a vigilantes e desleixo institucionalizado dão nisto”, é a reacção de Eurico de Barros, cita o DN, apontando para uma publicação no Facebook que, entretanto, ficou indisponível.
ZAP //

Read more

Since 2005

Translate

Subscribe via email

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Total Views

Pesquisar neste blogue

Blog Archive

Rating Posts

Copyright

Creative Commons License
Web hosting for webmasters